Pintar, desenhar, criar, imaginar…

A arte, como trabalho criador, utiliza e aperfeiçoa o processo de desenvolvimento perceptivo, cognitivo, o senso de imaginação e a criatividade, enquanto contribui para a formação da personalidade em termos psíquicos e culturais.

O papel da arte vem estimulando discussões sobre o legítimo saber e encontram, numa análise investigativa e de interpretação, excelentes resultados de desenvolvimento no aspecto emocional, psíquico, físico e da linguagem, cujo método de experimentação vai da atividade educativa à livre expressão. A proposta cultural de ensino, em suas várias modalidades, integra a vivência prática – a interação, a releitura de obras, estudos lúdicos, reflexão e análise – através da viagem de concepção histórica em torno da arte.  O conjunto constitui a construção cultural e educativa do aprendiz como estímulo ao domínio do meio em que vive  através da ação continuada das questões sociais e culturais promovidas pelo avanço das artes.

Resultados igualmente surpreendentes tem sido alcançados com a aplicação do método de ensino com alunos portadores de várias necessidades especiais.

Anúncios

A arte gráfica tem como característica a pluralidade de ideias, explorando a imaginação e expressando sentimentos mais intensos. Sendo um fetiche à ser despertado para quem tem contato.

Ao nos depararmos com a arte gráfica observamos sentimentos, daquilo que está sendo apresentado, caracterizando-se como uma obra de valor. Levando muitos ao encantamento e ao desejo de conhecer mais sobre tal. Ter habilidade e talento usando cores, formas, expressões, seja elas abstratas ou não, colabora para a educação levando informações diversas, para todos os estilos de vida. 

A arte gráfica é um caminho que contribui muito para a diminuição da poluição visual na sociedade. Conscientizando à muitos sobre o que é realmente arte. Ela foi ganhando um grande espaço na sociedade e florando curiosidades entre  jovens e adultos.

Com êxito de levar conhecimento através de pinturas e dando espaço para  relatar experiências humanas, sendo uma opção para quem gosta de expressar. E um caminho para divulgar o que é arte e cultura na sociedade.

Por isso conheça um pouco mais sobre essa arte!!!

É observado hoje em dia que há uma certa resistência do deficiente visual visitar exposições e museus de artes, por considerar monótomo  e inadequado ser abordado da mesma forma que o visitante vidente, sendo muitas vezes repreendido por tentar um contato tátil com a obra. Essas experiências negativas mostra, na verdade, um bloqueio na construção de um caminho mediador entre este público e o acervo artístico. O Espaço expositivo é , por via de regra, construído para ser visto. As obras são colocadas em vitrines, ou têm a proximidade do público limitada por espaços identificados por faixas no chão ou cercas. De forma geral, não é possível ter nenhum outro contato com obras de artes dentro de instituições culturais senão pelo sentido da visão. Esta forma de apresentação das obras, porém, restringem significativamente as possibilidades de acesso para o público com deficiência visual. Nota-se também que os museus têm de se  adaptar as necessidades e inserir recursos para atender a população portadora de cegueira e baixa visão. É preciso que sejam elaborados materiais de apoio que pensado apartir da didática multisensorial, possam contribuir para a construção de uma experiência estética plena.

Por  intermédio da oralidade, ambientação sonora, reproduções em alto contraste, maquetes de obras e prédios, placas em relevo e outros recursos tridimencionais, bem como o emprego do braile, pode se manter aberta uma via de comunicação entreaàs artes e os deficientes visuais, para que estes tenham oportunidade de aprecia-las, sobretudo as que são estritamente visuais.       


Arte, ciência, política, planeta

O mundo fica pequeno e familiar quando sua apresentação interliga idéias e interesses comuns nesse contínuo movimento do aprender, criar, sonhar, compartilhar, enfim, viver o giro desse planeta móvel.

De maneira geral, o obstáculo para o acesso a uma participação mais intensa nesse processo ensino-aprendizagem é, basicamente, a ausência do hábito da leitura. Essa circunstância é devida, na maior parte das vezes, à complexidade dos textos apresentados, de maneira que desagrega uma identidade com o leitor.

Para driblar o obstáculo, as tiras e HQs dão o recado com amplo alcance e eficiência. Qual a razão? A exploração consciente do potencial artístico e intelectual, de pessoas de qualquer idade, associada à linguagem dos quadrinhos, facilita a transferência de conhecimento e produz assimilação do aprendizado, qualquer que seja a disciplina apresentada. A curiosidade do saber encontra uma adaptação harmoniosa na relação entre a imagem e sua conexão com os fatos históricos, científicos ou sociais. Essa necessidade satisfeita incorpora e interioriza o ensino, confere motivação à continuidade e ao integralismo.

O ensino através das tirinhas contribui, não como um instrumento didático, mas como ferramenta de liberação do processo criativo, da consciência crítica, que habilita o aprendiz a conhecer, analisar, formar opinião e dimensionar sua participação e posição no contexto geral do conhecimento e da compreensão.

Quem não tem vontade de aprender? De vencer as barreiras que aparecem em sua volta. Independente da sua cor, origem ou classe. Todos tem direito de ter uma educação digna. E nunca é tarde para recomeçar.

Hoje muitos estão ultrapassando as dificuldades, indo atrás do que é seu por direito e provando que nunca é tarde para ter uma vida melhor. Aprender é direito, basta somente ter  força de vontade e perseverança. Aprender é  necessário  para uma boa desenvoltura na sociedade.

 Formas de educar, colaboram para  um resultado eficaz, abrindo caminhos  para isentar todas as dificuldades no aprendizado.

Então pra que deixar para amanhã, o que  você pode fazer hoje. Vença os obstáculos que estão em sua volta e faça  da arte e da cultura como fatores inclusivos em sua vida.

No dia 08/03/2010 , data em que é comemorada em todo o mundo o dia Internacional da Mulher , foi realizado em João pessoa na Paraíba , o grande evento entitulado : ” DESFILE INCLUSIVO : A DIVERSIDADE NA PASSARELA” , promovido pelo Programa Estadual de Política para Mulheres ( PEPM) , contou com à participação da fotógrafa paulista Kica de Castro , especializada  em fotografias de pessoas com deficiência , esteve em João Pessoa para fazer a seleção das modelos paraibanas que participaram do Desfile Inclusivo : A diversidade na passarela. O evento aconteceu no espaço cultural durante o Círculo de Aarte e Cultura que integrou a programação comemorativa ao dia Internacional da Mulher.

O evento também serviu para chamar à atenção da sociedade para à capacidade e à beleza das mulheres com deficiência , contribuindo com o fim do preconceito e convidando à sociedade à abrir mais oportunidades e espaços para essas pessoas. Na passarela tiveram presentes modelos nacionais e internacionais , além das próprias modelos paraibanas que foram selecionadas , fazendo uso de equipamentos ortopédicos , á exemplo de cadeiras de rodas ou muletas , durante o evento também houve ainda uma esposição fotográfica também tendo como modelos mulheres com deficiência , algumas delas paraibanas.

É importante e fundamental à sociedade compreender que às pessoas com deficiência também são consumidoras e  podem fazer parte do mercado publicitário , trabalhar como modelo. Esse tipo de iniciativa visa contribuir para abrir horizontes e mostrar toda à capacidade e o potencial de pessoas que só tem à acrescentar para o crescimento e o desenvolvimento de uma sociedade que antes era muito ” preconceituosa”.

A arte, como trabalho criador, utiliza e aperfeiçoa o processo de desenvolvimento infantil,  perceptivo, cognitivo, o senso de imaginação e percepção, enquanto contribui para a formação da personalidade em termos psíquicos e culturais e se estende por toda a vida adulta.

Expressar-se e falar! Essa técnica simultânea de desenvolvimento da linguagem logo anuncia a composição de uma idéia de fácil comunicação. Brincadeiras criadas a partir da construção de bonecos, modelagem de vários objetos em argila ou com os mais diversos materiais, proporcionam um envolvimento livre com a arte. As “brincadeiras” de aprender acontecem mesmo antes de falar. A capacidade de comunicação através da escultura favorece a imaginação e passa naturalmente pelos estágios da pesquisa, da experimentação estética, da contemplação, da observação, enfim, um convívio do qual flui um infinito jorrar de idéias.

A tendência das emoções expandidas nesse aprendizado “sem supervisão” alimentam, não somente a imaginação das crianças, mas constroem, ao longo de toda a vida, uma comunicação simples e objetiva, quer  seja concretizada no falar ou no escrever.

A interlocução entre arte e educação revela múltiplas visões, propostas e conceitos. A essência da arte, quando se fala na educação, é a ampliação do conceito formador do pensar individual que leva ao estágio do questionamento, da investigação. Esse processo pedagógico insere o aluno no contexto geral da arte como riqueza de expressão, aproximando-o da unidade global de criação, desenvolvimento, tendências e inovações modificadas por diferentes visões dos eventos históricos.

Olhar para a arte, como história, expressá-la de maneira individual ou coletiva, conduz à descoberta de elementos da nossa própria vivência, da nossa própria cultura, que podem ser imaginados como um emaranhado de fios com mútua e contínua conexão, produzindo um importante compartilhar de idéias e experiências que contribuem para a formação do caráter e da estabilidade emocional, bem como estimulam os movimentos que apontam para novas direções e produções.

Elias Zeminoi

Para o artista plástico Elias Zeminoi, que há mais de vinte anos dedica-se ao ensino de Pintua a Óleo, Aquarela, Escultura e outras atividades relacionadas às artes plásticas, a formação da identidade do indivíduo está diretamente relacionada a sua capacidade de expressão. A arte, em suas diferentes linguagens, estimula a identificação dessas propiedades do pensamento humano e seu desdobramento que forma o ser como um todo.